fbpx
loader image

22 de maio de 2024 - 4:34h

A Folha Agrícola

Grupo DVA retorna ao mercado de agroquímicos no Brasil

Após nove anos, a volta é marcada pela estreia de uma nova marca, a Agroallianz, com estratégia de acesso de forma inovadora, robusta e oferecendo aos agricultores 22 soluções para diferentes culturas. O objetivo principal é expandir o portfólio, dobrando-o até 2028, e atingir um faturamento superior a US$ 100 milhões

Por questões comerciais, em 2015 o Grupo alemão DVA, cessou seus negócios no Brasil. Porém, em 2021, a empresa retornou ao cenário nacional com soluções de especialidades, tecnologias para fertilizantes e adjuvantes. Com foco em soluções como os bioestimulantes fabricados na Espanha, recentemente investiu na fábrica no Brasil, capitalizando assim, um portfólio completo para todas as culturas, visando atender aos desafios do mercado e necessidades de toda a classe produtora, explorando o que há de melhor no potencial genético das plantas.

Agora, após o período de contrato, em que a DVA não poderia atuar com agroquímicos em território nacional, o grupo retoma este mês com o segmento, e coloca no mercado uma nova marca, a Agroallianz para atender o produtor brasileiro. Esta, que chega robusta, já com 22 produtos (fungicidas, inseticidas e herbicidas) para venda, além do portfólio inovador de especialidades já desenvolvido pela DVA.

Desde 2017 uma equipe de profissionais iniciou o trabalho de registros e pesquisa em crop protection. Paralelo a isso, conforme explica Fernando Fernandes, diretor geral da Agroallianz S.A., a companhia entendeu que o mercado de especialidades também era uma demanda importante e com um crescimento muito rápido no Brasil. “Frente a isso, ao longo dessa jornada, o Grupo DVA investiu mais de US$80 milhões para ofertar ao mercado a linha especialidades, distribuídos em INCENTIA - bioestimulantes e fertilizantes, ADYUVIA - adjuvantes e ESENCYS - biológicos, além  dos protocolos de registros de agroquímicos”, detalha.

A retomada no segmento é estratégica, segundo o executivo, já que o mercado de defensivos é significativo e bem consolidado no país. “Entendemos que o produtor já sabe como usar essas ferramentas e já tem a compra programada. Vamos propor além destas tecnologias já conhecidas por ele, novas soluções com diferenciais para poder dar velocidade à linha das especialidades que já estávamos trabalhando”, ressalta.

A estimativa da Agroallinanz no mercado brasileiro é chegar a 44 produtos no pepiline até 2028, e em cinco anos pretende faturar aqui perto de US$100 milhões. “Em 2023, foram US$8 milhões somente com o segmento de especialidades, que é recente também. Contudo, para 2025, a expectativa com os agroquímicos é de saltarmos para US$25 milhões. Ou seja, três vezes mais a cada ano”, confidencia Fernandes.

Referência mundial em químicos

Nos outros países de atuação, esse é o grande faturamento da companhia, sendo mais de 800 registros de crop protection. Somente no Brasil eles não estavam sendo comercializados. “Aqui, nesta retomada, temos ciência de que é um ano atípico, ainda mais difícil. Entretanto, enxergamos o Brasil como uma das maiores potências para nossas soluções e objetivos. A ideia é que, de 8% hoje, o mercado brasileiro passe a representar metade do faturamento anual da DVA toda”, destaca o executivo.

Para atingir essa meta, a Agroalianz além do modo tradicional de vendas, terá um outro tipo diferenciado de acesso ao mercado e que será anunciado em breve, durante a Agrishow, que acontece de 29 de abril a 03 de maio, em Ribeirão Preto-SP. “Precisamos mudar a ótica de negócios dos produtos agrícolas, sem dúvida, é necessário integralização e verticalização”, opina Fernandes.

O mercado de crop protection no Brasil foi estimado em cerca de US$20,6 bilhões em 2022, mas ficando na mão de apenas poucas companhias. “É um segmento competitivo e ao mesmo tempo bem grande. Além disso, temos uma forte tendência neste cenário, principalmente nos últimos três anos, das indústrias optando por fazer o acesso direto ao produtor.  Isso fez com que repensássemos o formato em que atuamos”, confidencia o diretor.

A menina dos olhos

Pensando exatamente no tamanho desse potencial de mercado é que a Agroallianz quer atingir todos os perfis de produtores.  A ideia segundo Fernandes é que em 2028, o portfólio da marca tenha uma competitividade ainda maior.  

Por exemplo, quando se fala especificamente da soja, aqueles US$20,6 bilhões representam metade desse potencial, com isso, a empresa teria uma cobertura de 98% do portfólio demandado. “Isso quer dizer que nós teremos uma oferta de portfólio atendendo grande parte ou quase a totalidade da cultura e seu potencial.  Assim como no milho, também acima de 90%, cana de açúcar, 57,4%, café, 86% e ainda o algodão, também acima de 80%, que são os principais cultivos”, enfatiza.

Em 2022 o Grupo foi reconhecido pelo Mapa como a segunda empresa que mais obteve priorizações de publicação e regulamentação de agroquímicos no Brasil. “Essa priorização acontece quando o Governo observa as dificuldades que o setor está enfrentando naquele momento, relacionado a pragas e doenças, e vê as empresas que protocolam as soluções que ajudem no combate ou controle àquela situação. Assim esse processo recebe prioridade. E assim ganhamos velocidade”, observa Fernandes.

Para ele isso demonstra sinergia com entre o que a classe produtora necessita e a pesquisa e desenvolvimento das equipes à campo, de pesquisa e regulatório. Hoje, o Grupo DVA conta com mais de 800 registros só na linha de Crop Protection Global e reinveste cerca de 4% do faturamento em Pesquisa e desenvolvimento (P&D).

Sobre - A DVA Group é uma empresa multinacional alemã dedicada ao desenvolvimento de soluções agrícolas de alta qualidade para proteção de cultivos, nutrição vegetal, biológicos e adjuvantes especiais, visando uma agricultura sustentável. Com mais de 50 anos de experiência, a empresa opera em diversos países, incluindo o Brasil, onde sua tecnologia é comercializada pela marca AGROALLIANZ S.A.

Document

Cotações Agrícola

Milho

R$

Soja

R$

Trigo

R$

Feijão

R$

Boi

R$

Suíno

R$

Leite

R$

Leia mais