fbpx
loader image

21 de maio de 2024 - 21:21h

A Folha Agrícola

Adoção de adjuvantes cresce, mas mercado ainda tem muito potencial

Daniel Petreli*

A adoção do uso de adjuvantes pelos produtores brasileiros e de diversos outros países tem aumentado constantemente nos últimos anos. O crescimento é atribuído a fatores como a necessidade de práticas agrícolas eficientes, maior proteção das culturas e o aumento da agricultura de precisão no País e lá fora. Dessa forma, podemos dizer que o mercado desse tipo de soluções tem muito potencial.

Na mesma linha, os produtores estão reconhecendo cada vez mais os benefícios dos adjuvantes na redução da deriva das pulverizações, que é hoje um desafio para o setor e profissionais. A ênfase em práticas agrícolas sustentáveis também desempenha um papel relevante, alinhando-se com as tendências em outros países. Dito isso, espera-se que o uso dessas tecnologias continue a aumentar, à medida em que a classe produtora busque otimizar as suas operações e o manejo fitossanitário.

Listo agora algumas tendências gerais e fatores que podem influenciar este cenário:

Aumento da conscientização - Os agricultores estão cada vez mais conscientes dos benefícios desses produtos na melhoria da eficácia dos defensivos agrícolas.

Crescimento da indústria agrícola: O Brasil tem uma importante indústria agrícola e em pujante expansão, com foco em culturas como soja, cana-de-açúcar, milho algodão e café. À medida que o setor avança, os agricultores adotam tecnologias e novas práticas de manejo, incluindo a utilização de adjuvantes.

Serviços de educação e extensão da indústria: Os programas educativos e os serviços de extensão prestados por agências agrícolas, universidades e empresas desempenham um papel crucial na promoção dos benefícios dos adjuvantes. Os agricultores que estão bem-informados sobre as vantagens destes produtos podem estar mais dispostos a utilizá-los.

Eficácia demonstrada: À medida que mais pesquisas e ensaios de campo demonstram os efeitos positivos dos adjuvantes no rendimento das culturas e no controlo de pragas, os agricultores estarão provavelmente mais inclinados a adoptar estes produtos.

Considerações econômicas: Fatores econômicos, tais como a relação custo-eficácia da utilização de adjuvantes em termos de aumento dos rendimentos e eficiência na aplicação dos produtos para proteção de plantas.

Preocupações ambientais: A crescente consciencialização sobre a sustentabilidade ambiental e o impacto da utilização tradicional de defensivos colabora para a busca de métodos alternativos, e os adjuvantes podem fazer parte de uma abordagem integrada de gestão de pragas.

Temos alguns fatores que influenciam o mercado dos adjuvantes. Por exemplo, a introdução e desenvolvimento de tecnologias no Brasil se alinha com a demanda por variedades agrícolas melhoradas. Pontuo também a maior ênfase no rendimento das colheitas, principalmente pela necessidade de alimentos.

Contribui também para a democratização dessas tecnologias os avanços em prol do desenvolvimento de novos adjuvantes com formulações e características avançadas com foco nos problemas que o produtor enfrenta no manejo das culturas.

Além disso, vale destacar que se os agricultores observarem um retorno positivo do investimento através do aumento dos rendimentos, isso também com certeza irá impactar na hora de adotar ou não os adjuvantes.

Muito importante lembrar dos desafios gerados pelas alterações nos padrões e a crescente prevalência de fenômenos meteorológicos extremos. Essas soluções podem ajudar a enfrentar cenários específicos, tais como melhorar a cobertura da pulverização em condições meteorológicas adversas.

Para os próximos anos há muito a se esperar. A primeira tendência é a de formulações mais especializadas para tipos específicos de aplicações de defensivos (por exemplo, pulverizações foliares, tratamentos de sementes ou aplicações no solo). O foco na sustentabilidade deve crescer, e os pesquisadores estão explorando os adjuvantes verdes sustentáveis.

Nesse contexto, há ainda a forte busca pela compatibilidade aprimorada com produtos biológicos, especialmente com a ampliação desse mercado. Projeta-se, cada vez mais, adjuvantes formulados para apoiar a eficácia dos métodos de controle de pragas de base biológica.

Outras tendências para a tecnologia

Também devem crescer as formulações ecologicamente corretas, que minimizem a deriva, a volatilização e o escoamento, alinhadas com os esforços globais em direção à agricultura sustentável. Pensando nesse aspecto, poderá haver uma mudança no sentido do desenvolvimento de adjuvantes biodegradáveis, contribuindo para a redução da persistência ambiental e dos potenciais impactos a longo prazo.

É válido apontar que avanços na tecnologia, como veículos aéreos agrícolas não tripulados (VANTs) e novas técnicas de aplicação como drones, estão influenciando o desenvolvimento de adjuvantes. A integração da tecnologia nesses métodos está melhorando as características e a eficiência da operação. Nesse sentido, também se observa a união com as tecnologias de agricultura de precisão. Os adjuvantes podem complementar esses métodos.

A adoção pelo produtor da análise de dados e de aprendizagem automática na agricultura também será um ponto relevante daqui para a frente. Isso pode levar ao desenvolvimento de produtos baseados em insights das informações. Por exemplo, as ferramentas de apoio à decisão podem recomendar adjuvantes específicos com base em dados históricos, condições atuais e dinâmica das pragas.

Por último e não menos importante, veremos ainda uma evolução regulatória global para administração de adjuvantes. Lembre-se, as formulações que atendem aos requisitos regulatórios de segurança e impacto ambiental provavelmente ganharão preferência no mercado.

*Engenheiro agrônomo, coordenador técnico e marketing Latam da DVA Agro

Document

Cotações Agrícola

Milho

R$

Soja

R$

Trigo

R$

Feijão

R$

Boi

R$

Suíno

R$

Leite

R$

Leia mais